sábado, 11 de julho de 2009

Criação de Coleiro

Criação de Coleiro

Sporophila caerulescens, S. nigricollis, S. hellmayir.

PECULIARIDADES

O coleiro é tido como o pássaro mais sociável da fauna brasileira. Adora ser levado para passear pelo dono e é, geralmente, o primeiro pássaro que todo passarinheiro, ainda criança, teve. Por outro lado, é considerado um dos pássaros nativos de mais difícil reprodução em cativeiro, pois as fêmeas demoram a ceder ao instinto reprodutivo, sempre implicando com a presença dos machos. O criador de coleiro deve ser paciente e saber aguardar o momento certo para obter sucesso na criação.
Fato curioso na criação de coleiros é a intensa participação do macho nas diversas fases da reprodução, em especial no cuidado com os filhotes, chegando até mesmo a brigar com a fêmea pelo direito de alimenta-los.

LOCAL

Para criar o coleiro, as características exigidas do local são as mesmas dos outros nativos: local bem iluminado, se possível com luz direta pela manhã, sem grandes variações de temperatura entre o dia e a noite, abrigado das correntes fortes de ar, etc. Este pássaro pode ser reproduzido tanto em gaiolas como em viveiros, mas estes últimos são menos adequados por dificultarem o manejo de ovos e filhotes.
As gaiolas podem ser de metal ou madeira, à escolha do criador. As de madeira são mais difíceis de higienizar, exigindo maior trabalho para isso, mas por outro lado, parecem ser mais “aconchegantes” nas baixas temperaturas. As gaiolas ideais para as fêmeas (no caso de criação no sistema de poligamia – o macho só é colocado com a fêmea no momento da cópula) devem ter de 50 a 70 cm de comprimento, cerca de 30 a 40 cm de altura e profundidade. É recomendável que possuam a “divisória”, para facilitar o manejo com os pássaros. Para os machos, podem usados os tradicionais modelos “piracicaba” e “carioca”, em seus variados tamanhos.


MATRIZES E REPRODUTORES

O criador, quando da composição de seu plantel, deve optar por matrizes dóceis, acostumadas ao manejo (pássaros que se debatem quando são carregados dificultam o processo da reprodução) e também por pássaros de boas qualidades, para que os frutos da criação recompensem toda atenção dispensada.
São boas qualidades transmissíveis aos filhotes:
- a postura e a “beleza física”: procurar sempre trabalhar com pássaros esguios, “elegantes”, de bom porte e aparência saudável.
- a disposição para cantar: pode ser “medida” pela contagem do número de cantadas em um determinado tempo.
- o andamento do canto: pássaros de canto rápido são adequados à modalidade “fibra”, não sendo adequados como reprodutores se o objetivo da criação for o canto clássico.
- a voz: para o canto clássico, as melhores vozes são as intermediárias, nem muito altas, nem muito baixas.
Se o macho que se pretende usar como reprodutor cantar ao ver a fêmea,
melhor.

ALIMENTAÇÃO

O coleiro é um pássaro granívoro, não sendo grande apreciador de frutas e verduras. A base da alimentação é constituída por uma mistura de alpiste, painços variados, senha e níger, sendo o primeiro em maior quantidade (50% a 60%). Apreciam muito, como guloseimas, sementes de capim frescas, por exemplo, as de “pé de galinha”, colonião, braquiara, margoso, favorito, entre outros. Os cachos podem ser colhidos e fornecidos inteiros aos pássaros. Essas são um bom complemento na alimentação, sobretudo na época de cria e trato dos filhotes. O pepino, se aceito, é um ótimo complemento alimentar pois é rico em colágeno, um importante componente dos tecidos de revestimento, conferindo elasticidade e resistência às penas, evitando que elas se quebrem facilmente e mantendo bonitas por mais tempo as penas originadas na muda mais recente.
Uma fonte de cálcio deve ser fornecida o ano todo, principalmente para as fêmeas, que utilizam grandes quantidades deste mineral na composição da casca dos ovos. A farinha de ostra ou o “osso de ciba” são as melhores alternativas para o fornecimento de cálcio. É aconselhável ministrar polivitamínico e um complexo de aminoácidos na água algumas vezes por semana.
Coleiros também apreciam muito farinhadas, que podem ser fornecidas secas ou umedecidas misturadas com ovo cozido floculado (passado pela peneira), e estas constituem uma grande fonte de proteínas, indispensáveis aos períodos de muda de penas e alimentação dos filhotes.
A atenção máxima deve ser dada à alimentação no período em que as fêmeas estão tratando de suas ninhadas. Elas, que em sua maioria geralmente não apreciam alimentos vivos, nesse período devoram grande quantidade de larvas de Tenebrio molitor ou de besouro do amendoim para alimentar suas crias. Essas larvas são uma grande fonte de proteína bruta, que contribui no rápido desenvolvimento dos ninhegos. A alimentação especialmente nesses dias deve ser abundante e diversificada, afim de estimular os pais a tratarem dos filhotes.

REPRODUÇÃO

A temporada de reprodução dos coleiros inicia-se e também termina mais tardiamente que a dos outros pássaros. Estima-se que a melhor época para cria-los seja de novembro a abril, período que coincide com a maior disponibilidade das sementes de seus capins preferidos, na natureza.
Os ninhos utilizados podem ser os de curió ou menores, pois fêmea irá preencher o espaço que “sobra” no ninho quando ela está deitada com o material oferecido pelo criador, que pode ser raiz de capim, corda de bacalhau (sisal) ou fibra de coco desfiadas. Convém fazer a camuflagem do ninho com plantas artificiais, que darão à fêmea uma sensação de maior proteção. Mas cuidado: o ninho deve ser camuflado e não “enfeitado”. Não precisa e nem é bom exagerar na camuflagem, pois isto pode, ao invés de atrair, afugentar a fêmea. Também não é necessário camuflar em volta do ninho todo. O importante é que a fêmea, na momento em que salta do poleiro para a borda do ninho, veja a camuflagem à sua frente, sendo que depois que a mesma está deitada, pouco importa se ela vê ou não a camuflagem – ela pensa que, comparando ao que ocorre na natureza, “entrou” na camuflagem e pode ver todo o ambiente ao seu redor, mas não pode ser vista.
Machos e fêmeas devem ser mantidos em confinamento visual durante o ano, sendo que as fêmeas podem ver-se somente durante a estação de descanso. Ao se aproximar o início da época de reprodução, as fêmeas devem ser transferidas para gaiolas individuais. A presença de muitos machos no recinto de criação acaba dificultando a mesma, já que as fêmeas de coleiro escolhem seu parceiro pelo do canto dele. Nesse sentido, o melhor é que elas ouçam um único macho, que é suficiente para cruzar até 5 ou 6 fêmeas, no sistema poligâmico.
O macho deverá ser colocado frente à gaiola de cada fêmea de uma a três vezes por dia durante alguns minutos, sendo que os melhores momentos para essa apresentação são o amanhecer e o entardecer. O criador deve observar a reação e o comportamento das fêmeas durante o momento em que estão vendo o macho. Geralmente as que vêm correndo para a tala da gaiola, com ar de interessadas, na verdade são as primeiras que hostilizam com a presença do macho em seu “território”, por isso se aproximam.
Disponibilizando material de ninho para as fêmeas fica mais fácil perceber quando estão ficando prontas para a reprodução (“aprontando”), embora o coleiro seja um pássaro que adora “brincar” com o material de ninho. Via de regra, as fêmeas estão prontas quando começam a rodar dentro do ninho e preenche-lo com o material fornecido. É a partir deste momento que, ao verem o macho, irão abaixar, solicitando cópula. O macho, então, será introduzido na gaiola da fêmea, e caso esta ainda não aceite a cruza, deve ser induzido a voltar à sua gaiola. Novas tentativas podem ser feitas posteriormente. O criador deve ter a paciência necessária para esperar que a fêmea aceite o macho. Uma vez que ela aceite ser cruzada, uma única cruza é suficiente, mas podem ser realizadas algumas mais. Costumam efetuar a postura entre o 2º e o 4º dia depois de cruzadas. O número de ovos pode chegar a três, sendo quase sempre dois.
É comum fêmeas que são ótimas mães numa temporada, na próxima apresentarem problemas, como abandonar o ninho, botar fora, botar no ninho mas não chocar, etc. Nas temporadas seguintes essas fêmeas costumam voltar a ser boas matrizes. Pouco se sabe sobre o comportamento reprodutivo das fêmeas de coleiro, portanto é preciso persistência e paciência.
Os filhotes nascem com cerca 13 dias de choco e podem ser anilhados do 4º ao 6º dia, dependendo do desenvolvimento da ninhada. Voam do ninho por volta do décimo quinto dia. A fase seguinte, de vetorização, que vai aproximadamente do 15º ao 30º dia de vida, é muito importante na formação do filhote macho, uma vez que este irá “memorizar” o canto que ouvir para reproduzi-lo mais tarde, criando o que chamamos de memória sonográfica. Os coleiros podem ser separados da mãe por volta dos 35-40 dias de vida, quando já deverão estar se alimentando sozinhos. Se a fêmea, no entanto, der sinais de que quer fazer nova postura antes que os filhotes se alimentem sozinhos (se houver escassez de material para preparar o novo ninho a fêmea irá depena-los para forra-lo), convém mantê-los separados da mãe pela grade divisória para que estes não atrapalhem-na na nova chocada. A fêmea irá continuar a alimenta-los pelos buracos da grade enquanto efetua nova postura. O criador deverá observar com freqüência os filhotes, e quando estes começarem a alimentar-se sozinhos, deve transferi-los para uma gaiola maior, na qual possam voar bastante e assim adquirir um bom condicionamento físico.
Os filhotes de coleiro começam a gorjear bem cedo, tentando reproduzir o canto que ouviram na fase de vetorização. A partir do primeiro mês de vida irão começar a cantar com um pouco mais de volume e desenvoltura, tentando reproduzir aquilo que está em sua memória sonográfica, porém este gorjeado será sem frases bem definidas. Essa período é chamada de fase de espelhamento, pois nela o pássaro irá fazer aperfeiçoamentos do gorjeado que emite, comparando-o com os cantos que ouve no ambiente onde se encontra. É durante essa fase que fazem a primeira muda, que é parcial e chamada de muda de ninho, ou muda de filhote, onde os filhotes machos irão adquirir suas primeiras marcações características da plumagem. As notas e frases começam a ganhar clareza e definição por volta do sexto mês de vida, a partir do qual os coleiros começam a emitir aquele que será seu canto definitivo.
Atingem a maturidade sexual por volta dos 11 ou 12 meses, mas a pouca idade faz com que, geralmente, não sejam bons pais e boas mães. Convém utilizar para reprodução coleiros com um ano e meio ou dois de idade.





Augusto Florisvaldo Batisteli
Técnico / consultor COBRAP
augustofb@gmail.com
Julho de 2005
Ibitinga-SP

Escrito por Augusto Florisvaldo Batisteli, em 20/2/2008

27 comentários:

  1. olar meu nome é Renato crio passarinho desde os 8 anos de idade atualmente tenhu 19!

    gostei das dicas fornecidas por vocês, mais o que estou procurando é comprar um coleiro, gostaria de saber se vocês vendem coleiros!

    e a faixa de preço!

    meu e-mail é renato.xavier1991@bol.com.br

    se puderem entrar em contato comigo ficarei grato!

    ResponderExcluir
  2. oi meu nome é thiago, sou um apaixonado por coleiros. e estava querendo saber como faço para esquentar meu coleiro. Ele setava cantando bem so q deixei a gaiola cair no chão e ele deu uma esfriado chama quente e tudo mas ñ quer cantar. O que devo fazer?
    meu e-mail é papelvilabuririti-am@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. eu qria saber se tem como eu tirar filhote de um coleiroo gregoo ???

    meu email:bolinho_macko@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. oi meu nome e enivaldo estou querendo comprar um coleiro se poderem me mandar um e-mail dizendo preso e como ele e..
    e-mail vadinho.13@hotmail.dom

    ResponderExcluir
  5. procuro um coleiro baderneiro que nao precise de femea.pago ou faço rolo,vou testar. 2177173030

    ResponderExcluir
  6. eu sou de nova iguaçu rio de janeiro eu tenho um coleiro,tiziu e um azulao o meu coleiro ta cantando mas é embolado e pouco eu queria fazer ele cantar mais e nao sei como podem me ajudar?

    ResponderExcluir
  7. Eu sou de sertãozinho-sp e tenho um coleiro moto bom e queria tirar filhotes dele mais eu precisaria de uma boa femia ow intao eu compraria um filhote para pegar o canto do meu coleiro
    quanto sai uma femia e um macho novo ainda ?
    meu imais samuel_marchi@hotmail.com obrigado

    ResponderExcluir
  8. minha femea botou ovo pra fora do ninho depois de 5 dias chocados botei d volta e ela esta chocando tenho chance ainda recado por favor crisbarrasurf@hotmail.com ou faicebook cristiano reyes valeu amigo

    ResponderExcluir
  9. Ola Meu nome é Tailon e estou interessado em comprar um coleiro maduro com bastante fibra, que tiver só passar um email, tenho para rolo um coleiro colão Tui-tui cantando de cara já para outro.

    lomiente@gmail.com

    ResponderExcluir
  10. Fala ai cara . Po eu li tudo com muita atenção mas eu não vi com cuntos dias o filhote macho começa a cantar sosinho? . Respomde essa pra mim . Jaé ?

    ResponderExcluir
  11. Peguei um ninho caído no chão, com dois coleiros. Queria saber o que posso dar para eles comerem?

    ResponderExcluir
  12. ola td bem meu nome é ernesto quero saber si vcs vendem coleiros valor i entrega ou tenho que busca meu email é nt.vidaloca@hotmail.com obrigado desde ja

    ResponderExcluir
  13. Ola meu nome e rafael eu sou apaixonado por tizil e coleiro . Eu reproduzo tizil mais coleiro ainda nao concegui porque eu nao fasso ideia a minha femea de setembro ate hoje e a decima primeira vez e nao nasce ela cruzou com 17 machos e ate agora nada dia 19 agora acaba a choca de outra ninhada mais nao tenho esperança mais nao. Se poderen me ajudar cary.raffa@gmail.com

    ResponderExcluir
  14. oi quero saber o preço do coleiro macho?
    marcosjodaiko@gmail.com

    ResponderExcluir
  15. gostaria de saber se vcs tem coleiro pra vnd.
    me mande a rsp por email:troranter@gmail.com. um abraço.

    ResponderExcluir
  16. ola boa noite eu me enterecei pelo tiziul se vc puder em contato e tel:73404414 email:(yguaracisilva@gmail.com)...

    ResponderExcluir
  17. ola boa noite!!! gostaria de saber quais os remédios indicado para evita peito seco nos coleiras? e se vcs tem fêmea de coleira, e quanto custa??? e-mail, capao26@hotmail.com vlw aguardando respostas...

    ResponderExcluir
  18. Ola amigo! Eu gostaria de adquirir um coleiro. Vcs tem como entra e. Vontato mim passando o preço meu e-mail : diegodasilvaaraujoflamengo@mgmail.com. Aguardo contato.

    ResponderExcluir
  19. Meu nome e almir sou da cidade de campinas se aparece algum colera filhote pa negocio entra en contato ai 994312857 fecebook almir guina valeu

    ResponderExcluir
  20. ai tem coleiro filhote com muita fibra ai pra vender n e quntos vale

    ResponderExcluir
  21. gostaria de comprar uma fema d coleirinha .qnt é? Email.juniotyta@gmail.com.obg

    ResponderExcluir
  22. quanto custa um casal de filhotes de coleiro???
    leonegao@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  23. boa tarde tive uma boa aula de criação,,aprendi muito com vcs obrigado

    ResponderExcluir
  24. Olá!
    Gostaria de saber se vc's vendem coleiros.
    Aguardo sua respostas no meu email.
    marcospaulo.alesandra@gmail.com

    ResponderExcluir
  25. tenho um coleiro de torneio e uma femea pronta criadeira enteresados entre em contato no telefone,(021)998786295 ou (021)998594745 meu nome e douglas

    ResponderExcluir